segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Surfista Do Lago Paranoá (Natiruts)



Eu sou surfista do Lago Paranoá
É meio dia e eu vejo a seca castigar
15% é a umidade relativa do ar
Eu vou a clube a fim de me refrescar
Mas sinto falta de uma maré pra me levar
Aí eu vejo a piscina de ondas funcionar
E na TV surf brazuca arrebentar
Eu logo tiro uma conclusão elementar
Vou comprar uma prancha pra no mundo do surf me
integrar

Eu sou surfista do Lago Paranoá
Eu sei que o Hawaii não é aqui, que o mar está longe daqui
Mas pra quê que eu quero o mar, se eu tenho o lago só pra mim
Prometo que eu vou me esforçar, pra um dia no topo eu chegar
E o mundo vai conhecer
Surf lacustre que eu vou desenvolver

domingo, 30 de agosto de 2009

Proverbios y cantares

Caminante, son tus huellas
el camino y nada más;
Caminante, no hay camino,
se hace camino al andar.
Al andar se hace el camino,
y al volver la vista atrás
se ve la senda que nunca
se ha de volver a pisar.
Caminante no hay camino
sino estelas en la mar.

De Tudo

(Art by Kurt Halsey Fredriksen)

De tudo ficam 3 coisas:

A certeza de que estamos sempre começando,
A certeza de que precisamos continuar,
A certeza de que seremos interrompidos antes de terminar.

Portanto, façamos:
- Da interrupção, um novo caminho.
- Da queda, um passo de dança.
- Do sonho, uma ponte.
- Da procura, um encontro...

Pensamentos...

(Art by Kurt Halsey Fredriksen)
Suas crenças se tornam seus pensamentos.
Seus pensamentos se tornam suas palavras.
Suas palavras se tornam suas ações.
Suas ações se tornam seus hábitos.
Seus hábitos se tornam seus valores.
Seus valores se tornam o seu destino.

sábado, 29 de agosto de 2009

Pensamentos...

Sonhe o que você quiser.
Vá para onde você queira ir.
Seja o que você quer ser,
porque você possui apenas uma vida
e nela só temos uma chance de fazer aquilo que queremos.
Tenha felicidade bastante para fazê-la doce.
Dificuldades para fazê-la forte.
Tristeza para fazê-la humana.
E esperança suficiente para fazê-la feliz.

sábado, 22 de agosto de 2009

Elbosco - Nirvana

E sempre siga o sol, a lua e as estrelas
E aprecie gentilmente a confusão dos sons dos mares

E sempre siga o sol, a lua e as estrelas
E aprecie gentilmente a confusão dos sons dos mares

O mundo está no
No principio
No principio de DEUS

E todas as coisas
Foram feitas por Ele
E sem Ele, não haveria coisa alguma

O mundo está no
No principio
No principio de BUDA

E todas as coisas
Foram feitas por Ele
E sem Ele, não haveria coisa alguma

A glória, nirvana
Eterna, nirvana
A glória, nirvana
Eterna, nirvana

A glória, nirvana
Eterna, nirvana
A glória, nirvana
Eterna, nirvana
E sempre siga o sol, a lua e as estrelas
E aprecie gentilmente a confusão dos sons dos mares

O mundo está no
No principio
No principio de Alá

E todas as coisas
Foram feitas por Ele
E sem Ele, não haveria coisa alguma

A glória, nirvana
Eterna, nirvana
A glória, nirvana
Eterna, nirvana

A glória, nirvana
Eterna, nirvana
A glória, nirvana
Eterna, nirvana
E sempre siga o sol, a lua e as estrelas
E aprecie gentilmente a confusão dos sons dos mares

A glória, nirvana
Eterna, nirvana
A glória, nirvana
Eterna, nirvana
E sempre siga o sol, a lua e as estrelas
E aprecie gentilmente a confusão dos sons dos mares

E sempre siga o sol, a lua e as estrelas
E aprecie gentilmente a confusão dos sons dos mares

E sempre siga o sol, a lua e as estrelas
E aprecie gentilmente a confusão dos sons dos mares

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Tudo tem seu tempo certo (Maria Townseand)


Em toda vida humana surge um momento supremo …
um dia, uma noite, uma manhã, uma tarde, uma hora decisiva, um instante oportuno…
uma fresta através da qual a pessoa vislumbra coisas maravilhosas e sublimes…
Um quase nada na balança, cujos pratos são:
O demasiado cedo
O demasiado tarde
Feliz é quem sabe esperar…
e que de pé, à proa da barca da vida, trabalha e vigia pronto a aproveitar o momento em que a ocasião estender a sua mão, quando no relógio do destino soar o AGORA
“Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.”

Inútil (Ultraje A Rigor)

A gente não sabemos escolher presidente
A gente não sabemos tomar conta da gente
A gente não sabemos nem escovar os dente
Tem gringo pensando que nóis é indigente

Inútil
A gente somos inútil
Inútil
A gente somos inútil
Inútil
A gente somos inútil
Inútil
A gente somos inútil

A gente faz carro e não sabe guiar
A gente faz trilho e não tem trem prá botar
A gente faz filho e não consegue criar
A gente pede grana e não consegue pagar

A gente faz música e não consegue gravar
A gente escreve livro e não consegue publicar
A gente escreve peça e não consegue encenar
A gente joga bola e não consegue ganhar

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Alegria


9 - A Salvação (Tim Burton)

Trecho do filme "9 - A Salvação", produzido por Tim Burton e Timur Bekmambetov. Com vozes no original em inglês de Elijah Wood, John C. Reilly, Jennifer Connelly. Num mundo paralelo, um grupo de bonecos vive o pós-apocalipse. Eles encontram mais um de sua espécie, chamado 9 (Wood), que mostra características que podem ajudá-los a sobreviver. Estreia prevista para 18 de setembro.

Fonte: http://cinema.uol.com.br/ultnot/multi/?hashId=trecho-do-filme-9--a-salvacao-04023272CCA90366&mediaId=305392

domingo, 16 de agosto de 2009

2001, uma Odisséia no Espaço

2001: A Space Odyssey (no Brasil, 2001: Uma Odisseia no Espaço e em Portugal, 2001: Odisseia no Espaço) é, para muitos críticos, um dos melhores filmes de ficção científica de todos os tempos. Foi realizado em 1968 pelo cineasta Stanley Kubrick, natural de Nova York, EUA.
Este filme, com uma duração total de 139 minutos e apenas 40 de diálogo, analisa a evolução do Homem, desde os primeiros hominídeos capazes de usar instrumentos, até à era espacial e para além disso. Foi baseado nas obras de Arthur C. Clarke The Sentinel e 2001: A Space Odyssey, esta última escrita simultaneamente com as filmagens.
Uma das personagens principais do filme é o computador inteligente HAL 9000, uma das máquinas mais famosas da História do Cinema. A crítica viu no nome do computador uma referência velada à IBM, pois as letras da sigla precedem em uma casa a denominação da conhecida empresa norte- americana do sector informático. Kubrick, no entanto, desmentiu essa tese, dizendo que isso não passou de uma coincidência.
Outros destaques do filme são os seus efeitos especiais pioneiros, e a sua banda sonora, composta entre outras por obras de Johann Strauss (Danúbio Azul) Richard Strauss (Also Sprach Zaratustra;PT-BR: Assim Falou Zaratustra), e Gyorgy Ligeti (Lux Aeterna), sendo este último repetente nos filmes de Kubrick.
Posteriormente foi lançado o livro Mundos Perdidos de 2001 (The Lost Worlds of 2001), no qual Clarke conta a história do filme, a do livro e outras inéditas. O autor escreveu três outras obras baseadas no livro/roteiro original, como forma de sequência: 2010: Uma Odisséia no Espaço II, 2061: Uma Odisséia no Espaço III e 3001: A Odisséia Final.

Fonte do texto: http://pt.wikipedia.org/wiki/2001_-_Uma_odiss%C3%A9ia_no_Espa%C3%A7o

No meio do caminho (Carlos Drummond de Andrade)

No meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
tinha uma pedra
no meio do caminho tinha uma pedra.

Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida de minhas retinas tão fatigadas.
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
no meio do caminho tinha uma pedra.

sábado, 15 de agosto de 2009

The Graveyard Book (Neil Gaiman)


The Graveyard Book is a children's fantasy novel by Neil Gaiman. The story is about a boy named Nobody Owens, whose family is killed by a mysterious man named Jack, and who is subsequently adopted and raised by the occupants of an old, ornate graveyard, inspired by Highgate cemetery. Gaiman's first full-length children's novel since the bestselling and widely acclaimed Coraline, The Graveyard Book won the 2009 Hugo and Newbery Awards, as well as a Locus Award for best YA novel, and was shortlisted for the World Fantasy and Locus Awards for Best Science Fiction Novel.

Pensamentos...

Pensamentos...

Pensamentos...

Pensamentos...




somos desfeitos pela verdade.
A vida é um sonho.
É o despertar que nos mata!...

Pensamentos...


"Continuo a pensar que

quando tudo parece sem saída,

sempre se pode cantar..."

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Bom Dia Tristeza (Françoise Sagan)

Romance de estréia de Françoise Sagan, "Bom Dia Tristeza" tornou-se símbolo da juventude desiludida da França em 1954. O livro fez tanto sucesso que foi adaptado para o cinema em 1958 com David Niven e Deborah Kerr.
A história se Passa em Paris, quando a jovem Cécile, de 17 anos, vive com seu pai, Raymond, um rico playboy. É contada como num flashback da garota sobre o verão que passara na Riviera Francesa.
Neste verão, Cécile conhece Philippe, um estudante de Direito que passava as férias na região com sua família. Tudo corria bem até a chegada de Anne, amiga antiga de seu pai que desperta todas as atenções para si. Raymond rememora as paixões vividas com a moça e anunciam um possível casamento. A idéia do matrimônio irrita a garota, e se não bastasse a nova madrasta, Anne a proíbe de se encontrar com Philippe.
A narrativa se desenrola numa série de armações de Anne, para evitar o namoro de Cécile, e da jovem em evitar o casamento do pai. Manobras que findam num trágico acontecimento.

Bom Dia Tristeza (Bonjour Tristesse)


Começa a boa vida. Acaba a felicidade. Uma adolescente francesa desinibida e o seu atraente pai descobrem o lado obscuro da paixão nesta adaptação do romance de 1958 de Françoise Sagan. Jen Seberg é Cecile, uma menina mimada de 17 anos e Raymond (David Niven), um rico viúvo parisiense. Ambos passam férias numa luxuosa mansão da Riviéra Francesa. Mas a sua existência superficial e hedonista é ameaçada quando Raymond decide casar-se com a puritana madrinha de Cecile, Anne (Deborah Kerr), que não aprova a aventura de Verão desta rapariga com Philippe (Geoffrey Horne). Para preservar intacto o seu mundo, Cecile planeja livrar-se de Anne, mas de repente os seus planos tomam um rumo inesperado.
Fonte: http://cinemaparadisonaweb-romance.blogspot.com/2009/06/bom-dia-tristeza-bonjour-tristesse.html

domingo, 9 de agosto de 2009

The animator



Este filme foi ganhador do anima-mundi 2008. De uma forma bem humorada conta a historia de como surgiu o primeiro homem e a primeira mulher na terra, como está escrito na Biblia Sagrada .

Eleanor Put Your Boots On (Franz Ferdinand)

Eleanor put those boots back on
Kick the heels into the Brooklyn dirt
I know it isn't dignified to run
But if you run You can run to the Coney Island rollercoaster
Ride to the highest point and leap across the filthy water
Leap until the Gulf Stream's brought you down

I could be there when you land
I could be there when you land

So Eleanor take a Greenpoint three-point turn
Towards the hidden sun
You know you are so elegant when you run
Oh if you run
You can run to that statue with the dictionary
Climb to her fingernail and
Leap, yeah take an atmospheric leap and
Let the jet stream set you down

I could be there when you land
I could be there when you land
I could be there when you land

So Eleanor put those boots back on
Put the boots back on and run
Come, come on over here

Le Petit Prince


Pensamentos...


Le Petit Prince

As pessoas grandes adoram os números.
Quando a gente lhes fala de um novo amigo,
elas jamais se informam do essencial. Não perguntam
nunca: "Qual é o som da sua voz? Quais os
brinquedos que prefere? Será que coleciona
borboletas?" Mas perguntam: "Qual é sua idade?
Quantos irmãos ele tem? Quanto pesa?
Quanto ganha seu pai?" Somente então é
que elas julgam conhecê-lo. Se dizemos às
pessoas grandes: "Vi uma bela casa de tijolos
cor-de-rosa, gerânios na janela, pombas no
telhado..." elas não conseguem, de modo
nenhum, fazer uma idéia da casa.
É preciso dizer-lhes: "Vi uma casa
de seiscentos contos". Então elas
exclamam: "Que beleza!"

Sunshine - Um Dia de Sol



Kate Hayden (Christina Raines) é uma jovem mãe que descobre que tem um câncer terminal em sua perna e deve removê-lo ou vai morrer. Ela decide que não pode viver sem a sua perna e se recusa a fazer a cirurgia. Como ela está morrendo, ela deixa palavras de sabedoria para a sua jovem filha em um gravador cassete, assim sua filha não vai esquecê-la. Seu marido, Sam (Cliff De Young) é um músico que relutantemente apóia a sua decisão, vendo-a se deteriorando dia após dia.

Pensamentos...

"Ame-se e esteja alerta hoje, amanhã, sempre.
Primeiro firme-se no caminho, depois ensine aos outros,
assim a tristeza será derrotada.
Para endireitar o que está torto
é preciso antes fazer algo mais difícil:
endireitar a si mesmo. Você é o mestre.
Quem mais?
Domine a si mesmo e descubra o mestre."
Buda

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Encontrar o equilíbrio interior (Anselm Grün)

Seja aberto a tudo em sua vida.
Mas siga a sua própria estrela.
Deixe-se estimular por tudo aquilo que vem ao seu encontro.
Penetre no mistério do viver.
Procure-o com todos os seus sentidos.
Procure perscrutar os altos e baixos da vida.

Sobretudo, seja aberto para os muitos encontros,
Que diariamente você pode vivenciar.
Deixe-se transformar por cada encontro.
Cresça sempre mais para dentro de sua própria e única forma,
através de cada ser humano
que cruza com você em seu caminho.
Mas, prossiga em meio a isso tudo, o seu próprio caminho.

Divise a sua própria estrela.
Seja atento a você mesmo.
Desenvolva uma boa sensibilidade
em relação à sua própria identidade.
Seja atento àquilo que,
de forma bem pessoal, lhe define.
Você é único e singular.

Delimite-se muito bem,
antes que você se perca a si mesmo.
Defina um limite,
Quando sua energia flui de você.
Pare,
quando os seus contornos ameaçarem a desaparecer.
Sinta para dentro de você.
Perceba aquilo que não é adequado para você.
Viva de acordo com o seu próprio estado de humor.
Não se norteie pelos outros.
Viva da maneira mais correspondente ao âmago do seu ser.

Atente sempre àquilo
que distingue o seu ser.
Você irá reconhecê-lo
quando estiver em uníssono com você mesmo.
Quando você sentir em você uma paz profunda.
Você o sentirá
quando a vida fluir em você.

Fonte: GRÜN, Anselm. Encontrar o equilíbrio interior. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

À Deriva

O longa brasileiro que abriu o Festival de Paulínia de Cinema, “A Deriva” estréia esse mês. O filme tem direção e roteiro de Heitor Dhalia (O Cheiro do Ralo) e produção de Fernando Meirelles (Ensaio sobre a Cegueira), que está no ar com o seriado global “Som e Fúria”.
A história da garota de 14 anos descobre, por acaso, que seu pai tem uma amante, é muito mais profunda do que parece. O longa trata de assuntos delicados, falando de família, que é o grande tema universal. No mesmo momento que a jovem descobre que seu pai está tendo um caso, ela mesma está passando por um momento diferente em sua vida, começando sua vida sexual.
Heitor Dhalia queria fazer um filme que a história passasse pela praia e pelo mar e assim veio a ideia de escrever “A Deriva” que caiu como uma luva para a sociedade brasileira. O filme mostra sem juízos de valor uma relação de família, com mentiras e segredos.
O filme tem a distribuição da Universal, e o elenco cheio de nomes bacanas. Camilla Belle, Vincent Cassel, Cauã Reymond, Taís Araújo e Débora Bloch.
No dia 31 é estréia nacional deste longa, que mostra uma história que cada brasileiro pode se identificar um pouco.
Fonte: Cinema em Cena